Segunda-feira, 05.06.17

Espectáculo de música - "Mix Brasil" - 11 de junho 18h

O espetáculo “Mix Brasil” traz um panorama da produção musical popular brasileira e sua variedade de ritmos e estilos, com obras de Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Dorival Caymmi, Baden Powell, Edu Lobo, Luiz Gonzaga, Hermeto Paschoal, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Djavan, Milton Nascimento, Jorge Benjor, entre outros.

 

Participantes:

Gilberto Gasparetto: violão e voz
Ana Rosa Silva: voz e percussão
Hipolito da Cruz: contrabaixo
Etson Caminha: percussão
Felícia Maia: voz e percussão
Yohan York: trompete, percussão e voz
& convidados especiais

 

Assista, cante e dance!

 

Domingo, dia 11 às 18h no jardim da Fundação Oriente.

 

Entrada gratuita.

 

agendaculturaldili às 03:58 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 02.05.17

Ciclo de Cinema CPLP - sinopses e trailers

MOSTRA DE DOCUMENTÁRIOS CPLP - DOCTV-CPLP I "A nossa língua"

 

9 documentários produzidos nos países da CPLP e em Macau exibidos ao sábado às 15h ao longo de maio e junho. Consulte por favor o calendário.

 

Dia 06/05 - 15h - "Nos Trilhos Culturais da Angola Contemporânea"
De Miguel Garcia / Realização:Dias Júnior / Intérpretes: Orlando Sérgio / Produção: Nguxi dos Santos / 58 minutos / 2010 / Angola

 

Sinopse: Documentário traça os trilhos da linha entre o passado, o presente e o futuro de uma linha férrea de importância extrema que atravessa Angola de leste a oeste. Em 50 minutos, o documentário, que levou 16 dias de rodagem e seis meses de produção, centra a sua ação no troço Lobito/Cubal (ambos municípios de Benguela), num percurso de aproximadamente 153 quilómetros.

Os traços culturais e etnográficos das populações adjacentes ao percurso ferroviário transcontinental. O caminho-de-ferro de Benguela, é retratado em diário de bordo, numa emocionante viagem do ator e investigador Orlando Sérgio.
As vivências relatadas pelos passageiros e funcionários da companhia, as manifestações culturais, o comércio, a variação do tipo de infra-estruturas de cada local e a paisagem não tocada pelo homem, levam o investigador a observar a interessante interação dos intervenientes da linha ferroviária.

 

Trailer - http://videos.sapo.pt/75z8lM1q8QFcQOgiZUte

(sapo.pt)

 

Fontes:

https://festin-festival.com; www.rtp.pt; www.sapo.pt

 

Dia 06/05 - 16h - "Exterior"
De Maíra Buhler e Matias Mariani / 52 minutos / 2009 / Brasil

 

Sinopse: Um líbio descobre durante uma viagem de férias que a sua mulher está com cancro, um sul-africano narra a sua participação na guerra de Angola, um bibliotecário espanhol conta as suas desventuras amorosas, uma checa desenha a sua cela no quadro negro. Fragmentos de histórias reunidas em Exterior, um filme sobre a vida de pessoas muito diferentes que têm em comum o fato de estarem atualmente presas no estado de São Paulo e serem estrangeiras.

Um documentário de Maíra Buhler e Matias Mariani, sobre a experiencia de presos estrangeiros no Brasil, 'ser diferente' e 'estar igual'.
Pessoas de origem cultural muito diversa (chineses, peruanos, norte americanos, senegaleses, australianos, franceses, entre outros) que vivem o mesmo cenário social. A narrativa proposta tece a experiencia de alguns estrangeiros, um de cada continente, homens e mulheres que, por razões distintas e particulares, estão encarceradas no mesmo país, o Brasil.


Trailer: http://videos.sapo.pt/jDqCpJFiJ8s4Tzjee9rh

(sapo.pt)

 

Fontes: www.rtp.pt; www.sapo.pt

 

Dia 13/05 - 15h - "Eugénio Tavares, Coração Crioulo"
De Júlio Silvão/Nuno Rebocho / Realização: Júlio Silvão Tavares / 52 minutos / 2009 / Cabo-Verde

 

Sinopse: Aspectos da vida e obra do poeta bravense, Eugénio Tavares, com base na trilogia amor, ilha e dor, que deu à língua crioula o estatuto de língua cultural-literária.

Trata-se de um filme que pretende dar a conhecer a personagem do poeta, escritor, músico e jornalista Eugénio de Paula Tavares, através da trilogia Ilha, Mar, Amor, três objetos inseparáveis do seu pensamento poético e literário.
O documentário de 52 minutos tem como guia o cabo verdiano Nho Samuel, que conviveu de perto com o poeta até aos seus últimos momentos. Também Corsino Fortes, Brito Semedo, José Luís Tavares e Helena Lisboa participam neste documentário sobre a vida e obra desta figura que marcou as ilhas de forma polifacetada, como jornalista, poeta musico, emigrante. Um cabo-verdiano sempre preso à sua ilha e que procurou no seu povo o que tinha de mais profundo: a alma cabo-verdiana.


Trailer - http://videos.sapo.pt/AhIMgR3s1nMCrbuZ88Ep

(sapo.pt)

 

Fontes: www.rtp.pt / www.sapo.pt

 

Dia 13/05 - 16h - "O Rio da Verdade"

De Domingos Sanca / Produção: Telecine Bissau / 52 minutos / 2009 / Guiné

Sinopse:
Silencioso e sábio, o rio Cachéu, no seu leito secular, agita-se sempre que passa por uma zona de tarrafes destruída...

O Parque Natural de Cachéu, situado na fronteira da Guiné-Bissau com o Senegal, sofre alterações que ameaçam seriamente o seu equilíbrio ecológico. O avanço progressivo do deserto do Sahara é uma das principais preocupações das autoridades e da direção do Parque. O filme vai ao encontro destas ações, das soluções praticadas e outras previstas, na perspectiva de contribuir para uma melhor resolução do problema.

Silencioso e sábio, o rio Cachéu, que dá o titulo a este documentário, no seu leito secular, agita-se sempre que passa por uma zona de tarrafes destruída. Também personagem/interlocutor deste documentário, a sua inquietação será metáfora visual para o conflito que se desenvolve entre ele e a ação dos homens.
Ao silêncio doído do rio contrapor os protagonistas - Felupes e Manjacos; dissecar-lhes as razões: mostrar as suas tradições, formas de ocupação e de vida no território; perceber-lhes as reações.
Eles são os 'intrusos' que se apresentam com uma nova linguagem, um novo ritmo. E qual a resposta do Rio Cachéu? Que secreta cumplicidade estabelece?

 

Trailer  http://videos.sapo.pt/0SjZPZH9isdK7nhzCZE9

(sapo.pt)

 

Fontes: www.rtp.pt / www.sapo.pt


Dia 27/05 - 15h - "Uma Lulik"

De Victor de Souza / 52 minutos / 2009 / Timor

Sinopse: Na tradição timorense, a Uma Lulik (Casa Sagrada) é o cordão umbilical entre passado e presente. Para os vivos uma reserva segura de memória e sabedoria antiga. Para os mortos o local onde o tempo não passa, onde a história se renova. Após a destruição de grande parte das Casas Sagradas, durante os 24 anos de ocupação Indonésia, a reconstrução da identidade nacional passa pelas aldeias e pelas montanhas, onde o sagrado, pouco a pouco, volta ao seu lugar, à sua casa.

 

Trailer  - http://videos.sapo.pt/cdYSoE9IfNJKVmk2q9Zc?ap=from_auto

(sapo.pt)

 

Fontes: www.rtp.pt / www.sapo.pt


Dia 03/06 - 15h - "Timbila & Marimba Chope"

De Aldino Languana / 52 minutos / 2009 / Moçambique

 

Sinopse: A construção de um instrumento musical a partir de saberes ancestrais dominados por poucos. Timbila é ao mesmo tempo o nome de um instrumento e o nome da dança que o acompanha. O xilofone é representativo da música e dança tradicional chope, considerada em 2006 Património Imaterial da Humanidade.

Que segredos ou que encantos encerra este instrumento que há quatro séculos, do que há notícia, ocupa tantos técnicos de tantas nações na pesquisa e estudo do seu funcionamento e estrutura?
Este filme pretende responder a esta e outras questões, assim como contribuir para o registo cinematográfico de todo o processo místico que é a construção do instrumento.
O artífice é quem vai levar o espectador a uma viajem, trilhando os caminhos da construção da Timbila. Mostrando desde a procura da árvore, colheita da massala, a extração da cera até à montagem do instrumento. Porque o fabrico da Timbila não constitui um fim em si, a câmara deixa-se embalar pelo "Msaho", a música chope e dança das timbilas, numa miscelânea de sons de tambores, batuques, apitos e cânticos.

 

Trailer - http://videos.sapo.pt/75z8lM1q8QFcQOgiZUte

(sapo.pt)

 

Fontes: www.rtp.pt / www.sapo.pt


Dia 03/06 - 16h - "O Restaurante"

De Fernando Eloy / Produção: Nuno Bastos / 52 minutos / 2010 / Macau


Sinopse: No pequeno território de Macau, coexistem diversos tipos de cultura há séculos. Pessoas de diversas origens combinam as suas vidas num pequeno espaço, que até 1999 esteve sob administração portuguesa. A pretexto da celebração do 20º aniversário de um pequeno restaurante português, este filme segue trechos da vida de 3 dos convidados e do próprio dono do restaurante.
A mesa de um restaurante, como símbolo universal de comunhão de histórias...
A visão deste documentário é a de revelar a diversidade cultural de Macau através de um microcosmos, no caso, um restaurante. O espaço em causa é um fruto típico da diversidade cultural de Macau, onde dezenas de histórias quotidianas encontram um porto de escala e onde diferentes personagens, de diferentes origens e percursos, se entrecruzam à mesa, surgindo esta como símbolo universal de comunhão.

 

Trailer - http://videos.sapo.pt/MPzzchHZV336PC7qvbnw

(sapo.pt)


Fontes: www.rtp.pt / www.sapo.pt

 

Dia 10/06 - 15h - "Li Ké Terra"

De Filipa Reis e Pedro & Branco / 52 minutos / 2009 / Portugal


Sinopse: A história de Miguel e Ruben, descendentes de emigrantes cabo verdianos que vivem em Portugal sem documentos, divididos entre dois países sem pertencer a nenhum, orgulhosos do seu passado e ansiando por um futuro melhor.

O documentário "LI KÉ TERRA" conta a história de Miguel Moreira e Ruben Furtado, jovens descendentes de emigrantes cabo verdianos em Portugal. Eles têm um orgulho estoico e sonham com o futuro, mas o dia-a-dia é tomado por contradições. Ambos não se veem mais como cabo verdianos. Ao mesmo tempo, têm dificuldades de inserção na sociedade portuguesa.


Trailer - http://videos.sapo.pt/V08gWSwYCZnK8nWoLoqv

(sapo.pt)


Fontes: www.rtp.pt / www.sapo.pt


Dia 10/06 - 16h - "Tchiloli 'Identidade de Um Povo"

De Felisberto Branco / 52 minutos / 2009 / São Tomé e Príncipe


Sinopse: Tchiloli é o nome crioulo de uma peça de teatro escrita no séc. XVI, pelo dramaturgo português Baltasar Dias. Foi levada da ilha da Madeira para S. Tomé e Príncipe, no início das plantações da cana-de-açúcar. Situado no Golfo da Guiné, o arquipélago foi colónia portuguesa e a sua história está recheada de contornos universais e constituída por um mosaico de culturas, resultante da miscigenação entre europeus, asiáticos e africanos. O Tchiloli é o expoente máximo desta miscigenação.

 

Trailer - http://videos.sapo.pt/WvMOQJVAUTz3nIgdzDwk

(sapo.pt)


Fontes: www.rtp.pt / www.sapo.pt


agendaculturaldili às 07:28 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

Ciclo de Cinema CPLP

MOSTRA DE DOCUMENTÁRIOS CPLP - DOCTV-CPLP I

 

A série  "A nossa língua" mostra ao público 9 documentários produzidos nos países da CPLP + Macau.

 

A frase “Olhares revelando a comunidade dos países de língua portuguesa” serviu de ponto de partida para as diferentes abordagens adotadas pelos realizadores, aos quais foi proposto “uma visão original de processos contemporâneos da diversidade cultural de cada país”.

 

 

Sinopses e trailers disponíveis AQUI

agendaculturaldili às 06:47 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 13.03.17

Filme Doces Bárbaros - 1 de abril 2017

Apresentamos o filme documentário sobre o grupo "Doces Bárbaros" composto por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethânia e Gal Costa.

Os Doces Bárbaros é um filme documentário brasileiro lançado em 1976, com direção de Jom Tob Azulay.

 

Sinopse

O filme mostra a excursão comemorativa dos dez anos de carreira dos cantores baianos Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethânia e Gal Costa, que formaram o grupo com o nome de Doces Bárbaros, por sugestão de Bethânia. Idealizado para mostrar os espectáculos do disco ao vivo que seria lançado (Doces Bárbaros - Ao Vivo), o documentário mudou de tom ao registar a prisão e julgamento de Gilberto Gil e de um companheiro por posse de drogas.

Gilberto Gil foi obrigado a internar-se numa clínica de desintoxicação, e só saía para participar nos espetáculos programados. Outra curiosidada apresentada no filme mostra Maria Bethânia irritada com um jornalista, perante a suposição que ela teria sido lançada pelo irmão Caetano Veloso, quando na verdade aconteceu o contrário.

 

Versão integral, pela primeira vez exibida sem os cortes da Censura Federal, Os Doces Bárbaros foi escolhido entre os dez melhores documentários sobre Música Popular Brasileira (MPB) no Festival É Tudo Verdade (2004).

 

Jom Tob Azulay, realizador

Jom Tob Azulay nasceu em 1941 no Rio de Janeiro, judeu brasileiro de descendência marroquina, é um ex-diplomata brasileiro, produtor, diretor, escritor, diretor de fotografia e técnico de som.

 

Título original: Os Doces Bárbaros

Gênero: documentário musical

Realização: Jom Tob Azulay

Com Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethania, Caetano Veloso

Duração: 100 minutos


Não recomendado para menores de 14 anos

 

Crítica ao filme - LINK - Folha de S. Paulo

 

 


agendaculturaldili às 08:24 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 06.10.16

Ciclo de Cinema "Resistência" - parte 3 em Novembro

E o ciclo de cinema sobre a resistência continua, para lembrar datas importantes da história de Timor-Leste, os próximos filmes serão sobre o país do sol nascente.

 

Dia 12 de novembro, dia da massacre de santa cruz e dia da juventude, serão apresentados os documentários de Diana Andringa:

"Timor-Leste o sonho do crocodilo" e "O regresso ao país do crocodilo"

 

O primeiro gravado em 2002 é uma compilação de entrevistas logo após a indepedência do país e o segundo gravado em 2005 resume as exibições em diversos locais de Timor do primeiro documentário e as reacções dos que nele participaram.

 

Para mais informação clique aqui http://agendaculturaldili.blogs.sapo.tl/2016/10/

 

E o segundo filme do mês apresentado no dia 19 de novembro será o "The diplomat", um filme sobre a luta de 24 anos travada pelo prémio nobel da paz, José Ramos Horta, pela liberdade do seu país. Este filme está disponível em inglês (estamos a tentar conseguir as legendas em português :)) e contêm algumas cenas de violência e linguagem agressiva. Recomenda-se para adultos apenas.

 

Para mais informação clique aqui http://agendaculturaldili.blogs.sapo.tl/28465.html

 

agendaculturaldili às 09:55 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 29.08.16

Os Timorenses 1973 – 1980 - Joana Ruas



Os Timorenses 1973 – 1980

É um romance sobre um processo histórico único no mundo e uma das mais solitárias guerras de libertação nacional.

Neste período, a FRETILIN travou contra o invasor indonésio uma guerra de independência e uma guerra social numa metade de uma ilha isolada do resto do mundo pelo invasor e sem qualquer espécie de retaguarda para se refugiar ou para se abastecer. Na sua terra invadida, a pátria estava na presença social, física e sentimental dos seus guerrilheiros liderados por Nicolau Lobato. Os homens e mulheres das FALINTIL deixaram de existir no presente para se continuar no futuro. Eram homens e mulheres de coração poderoso cujos olhos pareciam olhar para o fundo do futuro, homens e mulheres que permaneciam livres mesmo na prisão e que mesmo nus morriam de pé.

O testemunho dos sobreviventes desta etapa que vai de 1973 a 1980, repõe a memória concreta dos episódios então vividos pela nação timorense mas nada nos é revelado da vida dos seus heróis e heroínas. Até à restauração da independência a 20 de Maio de 2002, a morte é a paisagem que absorve os elementos humanos e a vida material dos seus guerrilheiros e de toda a nação. O que impressionou vivamente a escritora Joana Ruas foi essa experiência ao mesmo tempo religiosa e laica que através do cimento do seu sonho de liberdade colectiva, da sua fé e da força da linguagem venceu a angústia da morte e a certeza da destruição.

 

Joana Ruas

A autora nasceu na Quinta do Pinheiro em Freches, no distrito da Guarda. Trabalhou como jornalista cultural e tradutora na Radiodifusão Portuguesa e no jornal Nô Pintcha da República da Guiné-Bissau.

Participou na causa da Libertação do Povo de Timor-Leste, tendo feito várias conferências sobre a Língua Portuguesa em Timor-Leste, sua história e cultura. Entre poesia dispersa e ensaios é autora dos romances, Corpo colonial, O claro vento do mar e A pele dos séculos. Participou na IV Feira do Livro de Díli onde apresentou o romance A batalha das lágrimas e o livro de contos Crónicas timorenses respectivamente o 1º e o 2º volume da tetralogia A pedra e a folha sobre cem anos de Resistência Timorense.

 

A Plural editores e a Fundação Oriente organizam o lançamento do livro no dia 22 de setembro às 17h na Delegação da Fundação Oriente em Díli. Seguido de um aperitivo.

 

Apoios

Fundação Oriente

Páteo

agendaculturaldili às 08:33 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 29.06.16

Feira do Livro Mais Português - 7 a 9 de Julho

 

Veja a Agenda da Feira AQUI.

Harée Ajenda feira nian iha née.

agendaculturaldili às 09:47 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 14.06.16

Filme "KRIADU" dia 18 de junho 15h

Título - Kriadu: A história da Batalha de Timor durante a 2ª Guerra Mundial

 

Título original - Kriadu: the story of the Battle of Timor during WW2

Timor-Leste, 37 minutos, 2012, Curta metragem, Falado em inglês


Uma produção Fair Trade Films para o Memorial Dare Museum and Café


Autores
: Kirsty Sword Gusmão; Xanana Gusmão; Dare Memorial Museum and Café; Fair Trade Films.
Editora: [Dili, Timor-Leste]: FairTrade Films, [2012]

Versão em Inglês narrada por Kirsty Sword Gusmão e Versão em Tétum narrada por Xanana Gusmão

 

Sinopse: Os soldados Australianos que serviram em Timor durante a 2ª Guerra Mundial devem o sucesso da sua missão para defender a Austrália contra a invasão Japonesa e, na verdade, a sua própria sobrevivência, aos seus leais ajudantes timorenses ou 'kriadu'.
Cerca de 40.000 timorenses perderam a vida como consequência direta da presença militar da Austrália em Timor. Esta é a história da notável amizade entre os 'kriadu' e os australianos que lutaram no 2/2° 2/4º Comandos, do Memorial criado para homenagear as contribuições e sacrifício timorense, e a gênese do Museu Memorial de Dare.

 

(Versão em inglês: The Australian soldiers serving in Timor during the 2nd World War owed the success of their campaign to defend Australia against a Japanese invasion and indeed their very survival to their loyal East Timorese helpers or "kriadu" [criado].

Some 40,000 East Timorese lost their lives as a direct consequence of Australia's military presence in Timor. This is the story of the remarkable friendship between the “kriadu” and the Australian men who fought with the 2/2nd and 2/4th Commando Associations, of the memorial created to honor the East Timorese contributions and sacrifice, and the genesis of the Dare Memorial Museum.)

agendaculturaldili às 07:16 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 05.05.16

Ciclo de Cinema "Resistência" - parte 1

Nos dias 3, 4 e 5 de Junho (NOVA DATA) a Fundação Oriente acolhe em Timor-Leste a realizadora Iara Lee, brasileira coreana, e exibe alguns dos seus documentários "culturesofresistance", esta é a primeira parte de um Ciclo de Cinema sobre Resistência, que incluirá depois filmes sobre o mesmo tema de Portugal, Brasil e Timor-Leste.

 

Consulte o cartaz.

 

Dia 3, sexta início às 19h.

Dia 4, sábado início às 15h.

(Nova data) Dia 5, domingo às 16h exibição do filme "Vida em espera" sobre o referendo no Sahara Ocidental.

 

A realizadora Iara Lee apresentará os filmes e responderá às perguntas do público. Aproveite esta oportunidade!

 

 

Site culturesofresistance

 

Biografia resumida da realizadora Iara Lee (Iara Lee em inglês):

 

Nasceu no Brasil e é descendente de coreanos. É activista, directora e coordenadora da Cultures of Resistance Network, uma organização que promove a solidariedade global. Em 2010, dirigiu o documentário Cultures of Resistance, em 2012, The Suffering Grasses, e em 2015 LIFE IS WAITING: referendum and resistance in Western Sahara e K2 AND THE INVISIBLE FOOTMEN. Dirigiu ainda o curta The Kalasha and The Crescent (2013).

 

Brevemente as sinopses de todos os filmes em português AQUI (sinopses em inglês)!

 

agendaculturaldili às 03:07 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 21.04.16

Cinema - Série Mulheres de Abril - episódio 4 e último - 14 de Maio - 15h

Série "Mulheres de Abril"

Episódio 1 "Onde estavas no 25 de Abril?" - Sábado - 30 de Abril - 15h

Episódio 2 "Uma calma e lânguida primavera" e Episódio 3 "Longo e quente verão" - Sábado -  7 de Maio - 15h

Episódio 4 "Uma família transmontana" e Episódio 5 "O novo milénio" - Sábado - 14 de Maio - 15h

 

Sinopse (página RTP):

"Mulheres de Abril" - 40 anos do 25 de Abril de 1974.

Ana faz 60 anos no dia 25 de Abril de 2014. O 25 de Abril faz 40 anos e Ana fez 20 anos no 25 de Abril de 1974.
Ana decide convidar para jantar as mulheres da sua vida. São elas, Isabel, a sua mãe, a sua filha Patrícia e a sua neta Sofia, a sua sobrinha Maria, a sua grande amiga de sempre, Luísa e finalmente Rosa, a antiga criada da família com quem Ana e Isabel mantêm uma relação muito próxima.
Ao longo do jantar, todas elas vão contando histórias e recordações do passado e presente, de várias gerações de mulheres, começando por Ana que recorda o dia 25 de Abril de 1974, o dia em que fez 20 anos.
Ao longo dos 5 episódios da minissérie, e tendo sempre como ponto de partida o jantar de Ana, vamos (re)conhecer recordações de várias épocas do século XX, que vão dos anos 20, 30 e 40, passando principalmente pelos anos 70 (antes da Revolução, durante e após) e finalmente o novo milénio.
A minissérie trata fundamentalmente da condição feminina e da evolução de costumes e mentalidades que afetaram a mulher desde as primeiras décadas do século XX até à atualidade.

 

Intérpretes: Ivo Canelas, Carla Maciel, Sara Barros Leitão, Amélia Videira, António Cordeiro, Mariana Monteiro.

Realização: Henrique Oliveira

Produção: HOP!

Ano: 2014

Duração de cada episódio: 60 minutos

No dia 7 de Maio serão exibidos os episódios 2 e 3 e a 14 de Maio serão exibidos os 2 restantes episódios.

Agradecemos à RTP a autorização para a exibição em Timor-Leste.

 

Venha assistir!

 

Sinopses de cada episódio a seguir ao cartaz.

 



Episódio 1 (de 5) - Onde estavas no 25 de abril?

 

Ana faz 60 anos no 25 de Abril de 2014. Decide comemorar a data, convidando para um jantar muito especial as mulheres da sua vida: Luísa, a sua amiga de sempre, Isabel, a sua mãe, Patrícia, a sua filha única, Sofia, a sua neta, Maria, sua sobrinha, e Rosa, antiga criada da casa dos seus pais.
Ao longo do 1º episódio, vamos conhecer um pouco das vidas destas 7 mulheres, cruzando histórias do presente de todas com as memórias do dia 25 de Abril de 1974 de Ana, Luísa, Isabel e Rosa.


Episódio 2 (de 5) - Uma Calma e Lânguida Primavera

Enquanto se dá início ao jantar, a conversa recai sobre as memórias dos anos imediatamente anteriores ao 25 de Abril de 1974.
Ana começa por recordar um dia de Fevereiro de 1969 quando foi acordada pela mãe, Isabel, o dia do terramoto no Porto.
Depois, Isabel e Rosa recordam a noite em toda a família assistiu à alunagem da Apolo XI, também em 1969.
Depois recordam outros factos do dia a dia desses tempos, de 1970 a 1973, e com isso, vamos assistir a uma série de situações típicas, nostálgicas ou divertidas que marcaram os últimos anos do antigo regime.

Episódio 3 (de 5) "Longo e quente verão"

As nossas 7 mulheres continuam o jantar. A conversa incide sobre os anos seguintes à Revolução de 1974.
Começa com a memória do dia 25 de Abril de 1975, a comemoração dos 21 anos de Ana, e com a festa que Ana deu nessa noite. Depois, seguimos o percurso atribulado de Ana até 1977, do seu pai com os seus medos quanto à revolução, e também de toda uma sociedade em mutação muito rápida.

O 25 de abril em Portugal é o mote para a série "Mulheres de Abril", exibida pela RTP no ano de 2014, ano em que se assinalaram os 40 anos da "revolução dos cravos". A série retrata as mulheres de uma família portuguesa e a influência desta data nas suas vidas. A personagem principal, a mãe, a filha, a nora, a neta, a amiga de sempre e a empregada doméstica são as personagens principais desta série dividida em 5 episódios.

 

Episódio 4 (de 5) - Uma família transmontana

Isabel recorda os seus pais, Amélia e Joaquim.
A história começa em 1923, em Carrazeda de Ansiães, uma pequena aldeia transmontana, com o casamento de Amélia e Joaquim, um pobre criador de gado. Nove meses depois nasce Isabel. Amélia convence Joaquim a ir vender gado para os talhos do Porto. Joaquim assim faz. Aos poucos, e com muito trabalho e sacrifício, começa a enriquecer. Começa também a frequentar os bordeis do Porto.
Em 1939, compra casa no Porto e trás a família. Amélia e Isabel ficam deslumbradas com a cidade. Joaquim, é já um outro homem, e começa a causar problemas à família...

 

agendaculturaldili às 07:49 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos

ARQUIVO

A DELEGAÇÃO EM TIMOR-LESTE

A DELEGAÇÃO EM TIMOR-LESTE

FUNDAÇÃO ORIENTE

FUNDAÇÃO ORIENTE

MUSEU DO ORIENTE

MUSEU DO ORIENTE

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO

BOLSAS DE ESTUDO

BOLSAS DE ESTUDO