Ciclo de Cinema Língua Portuguesa - 19 de maio

As atividades de comemoração do dia da Língua Portuguesa, iniciativa da Embaixada de Portugal em Díli com o apoio da Fundação Oriente, continuam.

Na programação que a seguir se apresenta, propõe-se um calendário de filmes documentários de países onde se fala, ouve e se filma em língua portuguesa.

 A riqueza das diferentes culturas numa mesma língua é a tónica deste ciclo de cinema.

 

Apresentam-se os filmes agrupados por país de origem, sendo as produções da CPLP - DOC TV II e PALOP-TL da União Europeia, dois programas de incentivo à produção e capacitação audiovisual.

 

CPLP - DOC TV II - Video de apresentação (click aqui)

Programa de Promoção à Produção e Difusão do Documentário da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Inclui ações de capacitação, co-produção e teledifusão de documentários. Cada país participante co-produziu um documentário nacional e as respectivas emissoras públicas de televisão promovem a teledifusão da série de documentários nacionais.

A iniciativa visa apresentar uma visão contemporânea dos países de língua portuguesa no mundo.

Foram selecionados nove projetos inéditos de documentários de 52 minutos.

Timor-Leste tem participado nestes programas por iniciativa do Ministério da Educação e Cultura, Direção da Arte e Cultura.

 

PALOP-TL União Europeia 25 anos

Em 2017 comemoraram-se os 25 Anos da parceria PALOP-TL com a União Europeia, tendo sido criado um concurso de audiovisuais para incentivar a produção de conteúdos, incluindo programas de capacitação com residência artística.  Video do concurso (click aqui)

 

Cartaz para os dias 12 e 19 de maio de 2018 na delegação da Fundação Oriente em Timor-Leste:

 

 

 

DIA 19 de maio - 15h - Cabo Verde e Guiné Equatorial



Canhão de Boca

Ângelo Danilo F. M. Lopes I Cabo Verde

Documentário, 52 minutos, 2017 I  CPLP DOC TV II


O documentário "Canhão de Boca" aborda o papel da Rádio Libertação na luta pela independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde.
"Canhão de Boca", expressão usada pelo "pai" das independências de Cabo Verde e Guiné-Bissau, Amílcar Cabral, para designar a Rádio Libertação.


O documentário conta com participação de Amélia Araújo, a principal locutora e animadora da Rádio Libertação, estação emissora criada em 1967 e utilizada pelo Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) para difundir as ideias durante o conflito que o opôs ao Exército português na luta pela independência (1963/74).


No contexto de luta de libertação de Guiné-Bissau e Cabo Verde, Amílcar Cabral usava a expressão "Canhão de Boca" para se referir à Rádio Libertação como arma mais poderosa do que todo o arsenal de guerra que pudessem possuir.


A partir da experiência cabo-verdiana e com um olhar sobre o mundo, o documentário "Canhão de Boca" ficciona um programa de rádio com Amélia Araújo, uma das vozes da Rádio Libertação que deu corpo aos programas de difusão dos ideais da luta entre 1964 e 1973; e Rosário da Luz, voz que incorpora a informação crítica como luta da desconstrução contemporânea em Cabo Verde. As suas lutas são próprias de cada tempo, mas são, na sua essência, lutas comuns.

 

 

Hoje porque lutamos? Um dos maiores legados filosóficos da luta pela independência é o princípio de que, para sermos livres, precisamos pensar pelas nossas cabeças. Para isso, é essencial combater qualquer tipo de colonialismo e a nossa subjugação a este(s).

 

Este documentário elege a rádio, meio de comunicação e expressão vinculado à voz, como veículo da discussão contemporânea em torno da utopia da liberdade. A partir de eventuais confrontos, interessam as relações que o espectador reconstrua a partir do seu próprio pensamento.

(Fonte: http://tvbrasil.ebc.com.br/cplp-audiovisual/2017/06/canhao-de-boca)


 

HORA DI BAI - HORA DE PARTIR

Samira Vera-Cruz  I  CABO VERDE

Documentário, 24 minutos, 2017

 

A realidade Cabo-verdiana é por si uma eterna viagem, e na derradeira hora, a mistura de branco e preto, europeu e africano, revela-se numa ilha extremamente católica (herança europeia) mas que guarda superstições trazidas pelos escravos (herança africana). Afinal, a morte é certa. A Hora di bai é que é incerta.

 

Orígenes - Origens e Descendentes

Pedro Mba Ndong Nseng I Guiné Equatorial

Documentário, 52 minutos, 2017 I CPLP DOC TV II


 Com este documentário o realizador pretende investigar e descobrir a verdadeira identidade e a origem dos que hoje em dia formam parte da sociedade equato-guineense, tendo em conta que através de vários séculos, devido à escravidão e às guerras tribais, as migrações estiveram sempre presentes.

Quer caracterizar a enorme diversidade cultural, étnica e linguística da Guiné Equatorial, dar-lhe visibilidade como ferramenta de educação para os mais jovens.  


agendaculturaldili às 09:28 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos