Documentário - "Há 70 anos o tarrafal" - dia 18 de junho

Documentário “Há Setenta Anos no Tarrafal - Os Últimos Sobreviventes

 

 

 

Sinopse:
A 29 de Outubro de 1936 fundeava na baía do Tarrafal o navio a vapor Loanda. A bordo, os primeiros 152 presos políticos que Salazar condenava para a nova colónia penal do Tarrafal, na ilha de Santiago, em Cabo Verde. Em 19 Levas sucessivas para ali foram deportados mais de 300 portugueses cujo único crime era lutarem pela liberdade – de expressão e de associação – e por uma sociedade mais justa.


Este documentário regista o testemunho de cada um dos últimos cinco sobreviventes do Tarrafal (em 2006) que, surpreendentemente, pertencem à primeira leva; e permite-nos compreender cinco percursos paradigmáticos, caracterizados pelo mesmo idealismo e coragem, que conduziu estes jovens, nascidos entre 1914 e 1918, a cruzar os seus destinos no campo de concentração do Tarrafal, onde desperdiçaram o melhor da sua juventude.


Três marinheiros, presos na sequência da Revolta dos Marinheiros de 8 de Setembro de 1936, condenados a 16 e 17 anos de prisão: Josué Romão, 18 anos, condenado a 16 anos que cumpriu integralmente, sendo libertado em 1952, com 34 anos; José Barata, 20 anos, que esteve 11 anos no Tarrafal, foi transferido por doença, em 1947, para a Penitenciária de Lisboa, sendo libertado em 1951, aos 35 anos; e Joaquim Teixeira, 20 anos, que cumpriu 8 anos no Tarrafal, foi transferido por doença para o Hospital de S. José, em Lisboa, de onde conseguiu evadir-se três anos mais tarde. Tinha 32 anos e manteve-se sob uma falsa identidade durante 20 anos, até à prescrição da pena.


Dois jovens quadros das Juventudes Comunistas, que se encontravam presos ilegalmente, à luz da própria lei fascista: Sérgio Vilarigues, 22 anos, preso desde 1934 e condenado a cerca de dois anos de "prisão correccional a cumprir no continente" que, depois de passar pelas cadeias do Aljube e Peniche, acabou por ser transferido para Angra do Heroísmo e daí para o Tarrafal, com a pena já expiada... Foi libertado ao fim de quatro anos, em 1940. Entrou na clandestinidade e foi o único dirigente do PCP que não voltou a ser preso até 1974; e Edmundo Pedro, 17 anos, preso no início de 1936 e enviado para o Tarrafal, sem julgamento. Esteve 9 anos no Tarrafal e regressou a Lisboa em 1945, onde foi finalmente julgado e solto (depois de ter excedido em 8 anos a pena aplicada).


Sérgio Vilarigues, Edmundo Pedro, Josué Romão, José Barata e Joaquim Teixeira partilham a história da sua vida e, simultaneamente, as suas memórias, vividas, da História de Portugal no século XX: das suas famílias desvalidas ou em crise; da sua entrada no mercado de trabalho pela porta mais estreita; do Portugal em transição entre a República, o golpe de 1926, que instaura a Ditadura, e a evolução e consolidação do Estado Novo; e, finalmente, da chegada ao Tarrafal nos porões do Loanda e do período inicial e mais crítico do campo de concentração do Tarrafal, que os prisioneiros logo apelidaram de «Campo da Morte Lenta».


O documentário HÁ 70 ANOS, O TARRAFAL: OS ÚLTIMOS SOBREVIVENTES é uma coprodução TAKE 2000/RTP2, exibido subsequentemente na RTP MEMÓRIA e na RTP INTERNACIONAL e ainda em diversas escolas e em instituições como a FUNDAÇÃO MÁRIO SOARES, o MUSEU DO NEO-REALISMO e o MUSEU DO ALJUBE, em datas ou por ocasião de eventos relacionados com o tema.

 

A realizadora:
Fernanda Paraíso é licenciada em Arquitectura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, mestre em Planeamento Urbano pela Columbia University de Nova Iorque e frequentou o curso de cinema da School of Continuing and Professional Studies da New York University. Trabalhou como arquitecta em vários ateliers em Nova Iorque e em Portugal e actualmente exerce a profissão em regime livre.


Foi Art Director e Cenógrafa em vários filmes portugueses e estrangeiros e, de 1998 a 2000, Assistente da cadeira de Projecto do 4º ano do curso de Arquitectura da Universidade Moderna, em Lisboa.


Recentemente dedicou-se à escrita de argumentos cinematográficos e foi durante a pesquisa para o argumento de um filme sobre o campo de concentração do Tarrafal que conheceu os cinco sobreviventes e lhes dedicou o documentário Há 70 anos, o Tarrafal: os últimos sobreviventes, estreado na RTP2, a 29 de Outubro de 2007. A pesquisa documental que realizou e usará como fonte para as suas contribuições neste blog, incidiu particularmente sobre o período decorrido entre o 28 de Maio de 1926 e a primeira leva de presos políticos, em 1936.

 

FICHA TÉCNICA:
Duração: 55 minutos
Formato: PAL 16:9
Produção: José Mazeda/TAKE 2000
Argumento e Realização: Fernanda Paraíso
Imagem e Som: Gonçalo Soromenho
Montagem: Gonçalo Soromenho e Fernanda Paraíso
Sonoplastia: Emídio Buchinho
Locução: Judite Lima
Música: J.S. Bach, Variações Goldberg, Pedro Burmester (EMI CLASSICS 1996)
Ano: 2007

 

TARRAFALISTAS:
Sérgio de Matos Vilarigues, n. 23-12-1914
José Barata, n. 16-08-1916
Joaquim de Sousa Teixeira, n. 02-01-1916
Josué Martins Romão, n. 13-04-1918
Edmundo Pedro, n. 08-11-1918

 

APOIOS:
Instituto dos Arquivos Nacionais Torre do Tombo
Arquivo Central de Marinha
Partido Comunista Português | Gabinete de estudos Sociais
Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais

agendaculturaldili às 07:08 | link do post | comentar | Adicionar aos favoritos